Quando e porque as pessoas morrem?

death

Antes de começar a leitura, salienta-se que os dados abaixo são norte-americanos e não brasileiros. Normalmente este tipo de estatística nos EUA reflete o que vai ocorrer no Brasil em poucos anos, portanto é uma janela para um futuro próximo.

Com o passar dos séculos e décadas, as doenças mais comuns e as causas de mortes usuais têm se modificado, e os registros médicos e dos sistemas de saúde indicam mudanças cada vez mais rápidas. Assim, novos dados são necessários a curtos espaços de tempo, e o periódico medico JAMA acaba de publicar os mais recentes, que refletem as doenças fatais mais comuns nos EUA no período de 1990 a 2013.

De acordo com a publicação, a idade média de morte dos norte-americanos homens subiu de 71,9 anos em 1990 para 76,3 anos em 2013, sendo que os números para as mulheres foram 78,8 e 81,4 anos, respectivamente. Tratam-se de valores acima de média planetária, que atingiu 68,8 anos para homens em 2013 e 74,3 para mulheres.

Em 2013, a principal causa de morte para ambos sexos nos EUA continua sendo a doença isquêmica do coração, responsável por 20,3% dos óbitos tanto em homens quanto mulheres. Essa doença inclui os casos de morte por infarto do miocárdio, tanto na fase aguda como na fase crônica, e as mortes durante ou logo após cirurgias de pontes de safena ou implantes de stents (“molinhas”) no coração, além da maior parte dos casos de morte súbita em adultos.

A segunda doença que mais óbitos causou em 2013 foi o mal de Alzheimer, com impressionantes 12,7% dos óbitos em mulheres e 8,3% nos homens; o mal de Alzheimer torna-se cada vez mais comum, sem que sua causa ainda tenha sido identificada, o que impede avanços no tratamento. Algumas medidas preventivas, porém, já estão estabelecidas: http://clinicapetterson.com.br/prevenindo-o-alzheimer/.

A lista completa das principais causas de óbito segue abaixo:

tabela

A doença cerebrovascular que aparece em 3a colocação para mulheres e em 4a para homens compreende todos tipos de “derrame” (isquemia cerebral, que é o mais comum, e também hemorragia cerebral e aneurisma cerebral).

DPOC, que aparece em 4o lugar para homens e 5o para mulheres, é a sigla para Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica, popularmente conhecida como bronquite e enfisema, na quase totalidade dos casos causada pelo hábito de fumar.

Infecções respiratórias baixas significam as pneumonias e assemelhados, não incluindo sinusite, laringite, amigdalite, que são consideradas “altas”.

Interessante salientar que a maior parte das doenças listadas têm uma forte relação com os seguintes fatores causais: alimentação inadequada, exposição à fumaça de cigarros, falta de atividade física, excesso de peso e poluição do ar. Ou seja, há grandes possibilidades de prevenção das doenças acima, sem uso de medicamentos.

Outra constatação muito interessante é que as doenças que têm programas de rastreamento e detecção precoce muito divulgados e aplicados (cânceres de próstata e mama) matam 6 a 7 vezes MENOS do que a doença isquêmica do coração, que também pode ser rastreada precocemente e tratada em seus estágios iniciais com enorme sucesso (http://clinicapetterson.com.br/aterosclerose/ ). Porém, a maioria das pessoas desconhece que é possível consultar um cardiologista por volta dos 40 anos de idade e iniciar o rastreamento dessa doença, a qual é a principal causa de morte da sociedade moderna. Em geral, os exames utilizados para esse fim são seguros e inofensivos, sem uso de radiação ou contraste, sendo portanto virtualmente sem contraindicações.

Portanto, na ausência de conhecimento maior sobre o mal de Alzheimer, sugere-se que o público em geral faça rastreamento e detecção precoce da doença isquêmica do coração, a verdadeira “assassina número 1″.

Fonte:

http://jama.jamanetwork.com/article.aspx?articleid=2482313&resultClick=3


Comentários

Deixe um Comentário