COLESTEROL E ANEURISMAS DE AORTA 

colesterol2

O aneurisma de aorta abdominal é uma doença comum, onde a grande artéria aorta, em sua porção abdominal, dilata-se lentamente. A figura mostra uma aorta normal e outra com aneurisma.  

Sem título

Quando a dilatação atinge um tamanho expressivo, pode ocorrer ruptura da aorta, o que costuma ser catastrófico e fatal.  A maioria dos pacientes não sofre sintomas antes da ruptura, por isso os aneurismas são procurados rotineiramente na população de maior risco. 

Sabe-se que o principal fator de risco para surgimento destes aneurismas é o tabagismo, seguido pelo sexo masculino e pela idade, além da raça branca ser a mais suscetível. Então, a doença costuma ser procurada em homens brancos acima de 65 anos que fumam ou fumavam. 

A novidade, recém-publicada por autores europeus e norte americanos no periódico médico JAMA, é que existe uma forte correlação entre os níveis de colesterol e triglicerídeos no sangue com o surgimento destes aneurismas.  

Os autores compararam 4900 portadores de aneurisma com 48000 indivíduos sem aneurisma e demonstraram que os portadores variações genéticas que elevam o colesterol LDL (o ruim) em um desvio padrão apresentavam 66% mais destes aneurismas; já os portadores de variações genéticas que aumentam o colesterol HDL (o bom) apresentavam 33% menos aneurismas; para completar, as variações que elevam os triglicerídeos no sangue elevaram o risco de aneurisma em 69%. 

Assim, define-se como extremamente provável (e plausível) que os níveis de lipídios no sangue estejam fortemente relacionados com o desenvolvimento de aneurismas na aorta abdominal. 

Os autores comentam “o que precisamos saber, mas este estudo não diz, é se tratando agressivamente os níveis de colesteróis e triglicerídeos no sangue pode mudar a história do aneurisma, evitando sua ruptura. Esta agora é uma meta para pesquisa futura”. 

Importante salientar que, mesmo após a publicação destes dados, o principal fator de risco para desenvolvimento de aneurismas em aorta abdominal continua sendo o hábito de fumar, que deve ser sempre desencorajado. 

 Fontes: 

 https://www.medscape.com/viewarticle/889549#vp_2 

https://jamanetwork.com/journals/jamacardiology/fullarticle/2664267 

 


Comentários

Deixe um Comentário