Chineses que bebem chá infartam menos

comernadar

Existe muito interesse na China pelo uso de chás para prevenção e tratamento de doenças, e pesquisas científicas realizadas naquele país começam a mostrar seus resultados, geralmente com números enormes de indivíduos pesquisados.

É o caso do estudo publicado em dezembro no periódico britânico BMJ, onde pesquisadores chineses analisaram os hábitos de consumo de chá de quase meio milhão de pessoas entre 2004 e 2008 em 10 regiões diferentes da China. Após mais de 7 anos de acompanhamento, já haviam ocorrido quase 30 mil casos de diagnóstico de doença isquemia do coração ou eventos isquêmicos graves nessa população.

Comparando aqueles indivíduos que consumiam chá (não diariamente) com aqueles que nunca consumiam chá, a chance de sofrer um diagnóstico de doença isquemia do coração foi 3% menor para os bebedores de chá, e o risco de um evento isquêmico grave foi 8% menor. Já para quem bebia chá diariamente, as reduções de risco foram maiores ainda, na faixa de 8% e 10%, respectivamente.

Ou seja, quem tinha o hábito de beber chá no começo do século XXI sofreu menos doenças do coração nos anos seguintes;

É claro que os bebedores de chá podem ter outros hábitos e/ou características saudáveis que os protejam de doenças cardíacas, por isso os resultados foram controlados para fatores de confusão: idade, sexo, educação, ocupação, renda, estado matrimonial, consumo de álcool e tabaco, atividade física, ingesta de carne vermelha, frutas e vegetais, histórico de hipertensão e diabetes, entre outros. Mesmo assim os resultados foram significativos.

O tipo de chá consumido nessa população foi categorizado como: chá verde, chá oolong, chá preto ou outros. Os autores não encontraram relação entre o tipo de chá e a proteção cardiovascular (todos chás tiveram o mesmo efeito, aparentemente).

Então, apesar de o estudo ser observacional, na falta de estudos prospectivos randomizados, trata-se de uma nova evidência favorecendo o hábito de consumir chá regularmente.

Fonte: http://heart.bmj.com/content/early/2017/01/11/heartjnl-2016-310462.full.pdf+html


Comentários

Deixe um Comentário