Café e câncer no fígado

coffee

O câncer hepático é o 5º mais comum em homens, e o 8º mais comum em mulheres. As causas mais frequentes de câncer no fígado são as hepatites crônicas (tipos B e C) e o abuso de álcool. Vários estudos epidemiológicos, porém, demonstram que outros fatores ambientais, inclusive na dieta, podem influenciar no perigo de desenvolver esta doença, entretanto o papel da dieta ainda está por ser determinado. Como o café é uma das bebidas mais consumidas no mundo e contém componentes com atividade biológica, o autor chinês Li-Xuan Sang vasculhou a literatura médica atrás de pesquisas a respeito da relação entre consumo de café e câncer no fígado, encontrando 226 artigos a respeito. Após uma rigorosa seleção, 15 destes artigos foram considerados pertinentes e de qualidade científica alta, e então o autor reuniu os dados destes 15 estudos e realizou uma meta-análise, combinando todos em um estudo maior e de maior poder estatístico. O resultado foi publicado na semana passada.

Dividindo-se a população em grupos de acordo com a quantidade de café usualmente consumida, as pessoas que mais bebem café tiveram 50% menos câncer hepático do que as pessoas que bebem café nunca ou ocasionalmente. O resultado foi semelhante tanto para homens como para mulheres, tanto para estudos realizados na Ásia como na Europa, e tanto para pessoas que já eram portadoras de doenças no fígado como para pessoas sem doenças hepáticas prévias. O autor conclui que possivelmente o café tem efeito protetor contra o desenvolvimento de câncer no fígado.

Infelizmente, esse tipo de análise sempre pode ser alvo de críticas, pois baseia-se apenas em observações, ao contrário dos estudos de intervenção, onde selecionam-se as pessoas, aplica-se a intervenção (no caso, café), e depois acompanha-se o efeito. Porém, dificilmente teremos no futuro próximo dados mais confiáveis do que estes do estudo do Dr. Sang; portanto podemos considerar que o café é benéfico nesse aspecto. Uma boa notícia.

Fonte: Li-Xuan Sang, Bing Chang, Xiao-Hang Li, Min Jiang BMC Gastroenterol. 2013;13(34)

 


Comentários

Deixe um Comentário